Bombeiros em desacordo sobre Túnel do Marão

0

tunel marão

O comandante de Amarante disse esta quinta-feira não se justificar alargar a formação de bombeiros a mais corporações, para operar no Túnel do Marão, além das quatro que foram escolhidas, o que contraria as posições de Baião e Lixa.

“Vamos ter 40 bombeiros formados. Vinte de intervenção direta, que são os Bombeiros de Amarante e da Cruz Branca, de Vila Real, e 20 de apoio, de Vila Meã e da Cruz Verde”, defendeu Rui Ribeiro.

Posição diferente têm os comandantes das corporações vizinhas da Lixa e de Baião. Ouvidos pela Lusa, José Campos e José Costa defenderam que as corporações mais próximas do túnel, para além de Amarante e Vila Real, também deveriam beneficiar de formação específica. Ambos alertaram para o risco de os corpos de bombeiros poderem ser chamados a intervir num local que nem sequer conhecem.

Rui Ribeiro discorda: “Estamos a falar em situações de incêndio no interior do túnel. Penso que nesta fase será suficiente”.

Quarenta bombeiros das corporações de bombeiros de Amarante, de Vila Meã, da Cruz Branca e da Cruz Verde, de Vila Real, estão a preparar-se em Espanha para intervir no Túnel do Marão.

Rui Ribeiro considera “essencial” aquele tipo de formação, há muito reclamada pelos bombeiros.

“A atuação em acidente tem os mesmos procedimentos de qualquer situação fora do túnel, mas em caso de incêndio é tudo novo”, realçou o comandante.

Cinco bombeiros de cada corporação já realizaram a formação. O próximo grupo será contemplado no final de abril.

Os operacionais estão a receber a formação em Oviedo, no centro de formação “Tunnel Safety Testing” (TST).

O objetivo, revelou Rui Ribeiro, é testar, num cenário em escala real, o combate ao fogo em viaturas e a ventilação dentro de um túnel rodoviário.

O Túnel do Marão, ainda sem data oficial de abertura, é o maior da Península Ibérica, com cerca de seis quilómetros de extensão.

Rui Ribeiro acrescentou que cerca de 90 bombeiros de Amarante já tiveram um primeiro contacto com infraestrutura rodoviária.

Fonte: Jornal de Notícias

Sobre o autor

Ana Romaneiro

Ana Romaneiro

Nasceu em Évora onde cresceu e estudou. Desde muito cedo que partilha o gosto pela informática, que, a levou a tirar um curso profissional técnico de Gestão de Sistemas Informáticos, profissão que exerce na atualidade. A sua ligação aos bombeiros surge aos 13 anos ao entrar na fanfarra dos Bombeiros de Évora, onde permaneceu até 2013. Na atualidade integra a corporação os Bombeiros de Reguengos de Monsaraz, no posto de bombeira de 2º.