Executivo critica ‘a uma só voz’ o combate ao incêndio que atingiu Rio de Mel

1

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital revelou-se ontem descontente com o demasiado tempo perdido em reuniões de comando e a forma “principiante” como decorreram algumas ações. Vereadores do PSD e do movimento independente “Oliveira do Hospital Sempre” entendem que na hora de combate às chamas se devem ouvir os bombeiros locais que “calcorreiam o terreno todo o ano”.

Nas primeiras horas de tranquilidade após o violento incêndio que, ao final da tarde e noite de segunda-feira, consumiu mais de 600 hectares de floresta na freguesia de S. Gião e obrigou à evacuação de populações, não se fizeram esperar as críticas ao modo como decorreu o combate às chamas oriundas do vizinho concelho de Seia ,e por isso, sob orientação do comando distrital da Guarda.

“Demorou-se muito tempo em reuniões”, considerou ontem o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, em reunião pública do executivo, quando relatava aos vereadores as horas dramáticas por que passaram bombeiros e populares.

Para José Carlos Alexandrino “os incêndios matam-se à nascença”, pelo que não deixa de responsabilizar os responsáveis pela tomada de decisões pelo tempo que demoraram em delinear estratégias de combate ao fogo que teve início às 21h10 de domingo, em Carragozela, concelho de Seia, galgou a EN17 e seguiu descontrolado até ao concelho de Oliveira do Hospital.

Do leque de críticas de Alexandrino, destaque também para a forma “principiante” como se partiu para uma decisão de contra-fogo, destinada a controlar as chamas e que acabou por, como sublinhou, agravar a situação de incêndio.

Situações que aliadas à ausência de meios aéreos no local, “obrigaram” o autarca a acionar o Plano Municipal de Emergência, como forma de “pressionar a Proteção Civil para enviar mais meios” para o combate ao incêndio que, numa primeira avaliação, estava previsto para durar cerca de cinco dias. “Foi um dia muito complicado para o concelho e para a região”, referiu Alexandrino confessando nunca ter assistido a um cenário como aquele que se instalou em Rio de Mel.

“Foi um quadro de terror”, recordou, registando que até os próprios bombeiros se mostraram fragilizados com a dureza do incêndio. “Vi o adjunto de comando, Paulo Sousa, chorar que nem uma criança”, contou, tendo a lamentar todos os prejuízos que o fogo causou às populações.

“O tempo infinito” que se perde em reuniões de comando também foi objeto de crítica por parte do vereador do PSD da Câmara Municipal que, se opôs ao facto de naquelas situações “não se ouvir, quem se deve ouvir, como os bombeiros que calcorreiam o terreno todo o ano”.

“Não ouvir esta gente é um erro crasso”, referiu Mário Alves, propondo até ao presidente da autarquia para que faça chegar ao ministro da Administração Interna as queixas acerca desta matéria, porque “é importante ouvir aqueles que todos os dias combatem incêndios”.

Mário Alves não deixou também de alertar para o incumprimento por parte dos proprietários no que respeita ao necessário perímetro de segurança entre as habitações e os espaços florestais. “Há casa situadas a cinco e seis metros de pinheiros e eucaliptos”, frisou, defendendo que seja aplicada a lei, porque só por via da aplicação da “coima” é que os proprietários se tornam cumpridores.

“O comando deveria estar nas mãos de quem conhece o terreno ainda que assessorados”, defendeu também o vereador do movimento independente “Oliveira do Hospital Sempre”, entendendo que a decisão final deve caber a “quem conhece a terra”.

Em matéria do necessário perímetro de segurança que deve existir entre as habitações e os espaços florestais, José Carlos Mendes defendeu que no próximo ano sejam as juntas de freguesia a fazer um levantamento das situações de risco e a chamar a atenção dos proprietários, com a indicação de que “ou limpam ou são multados”.

FONTE: Correio da Beira Serra

 

Sobre o autor

Sérgio Cipriano

Sérgio Cipriano

Natural de Gouveia e licenciado em Comunicação Multimédia pelo Instituto Politécnico da Guarda. Ingressou nos bombeiros com apenas 13 anos de idade e hoje ocupa o cargo de sub-chefe. É um dos fundadores da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com e diretor de informação do portal www.bombeiros.pt, orgão reconhecido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

  • Bem, no meio de toda a razão que tenha o senhor, pergunto: mas o que é que ele pensa mesmo que correu mal? É que a organização florestal e a gestão das licenças de construção, assim como a atribuição de coimas aos infractores, cabe à Câmara Municipal. Depois, talvez o senhor não saiba, mas os Bombeiros não apagam fogos para ganharem eleições e, se a coisa corre mal e não se apagam os fogos mais cedo, posso garantir-lhe que somos nós os primeiros a ficarem destroçados, tanto física como psicologicamente!