Bombeiros vão poder novamente ser presidentes das próprias associações

0

presidenteCom o surgimento da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), foram diversos os projectos de lei que alteraram a orgânica do funcionamento das associações de bombeiros, bem como, o seu funcionamento operacional.

Uma das alterações desses projectos de lei, que vieram alterar por completo o sistema ditatorial, foi impedir que os bombeiros fossem ao mesmo tempo presidentes dos órgãos sociais dos corpos de bombeiros a que pertencem.

O «Boca» d’ Incêndio sabe que, esta lei surgiu em Portugal porque havia comandantes de corpos de bombeiros que eram igualmente presidentes da direção, assim, a ANPC para acabar com este monopólio, arranjou uma forma de prever na lei o seu impedimento.

No entanto, se por um lado esta medida veio acabar com os monopólios, por outro, veio permitir a entrada de pessoas na gestão das associações que pouco ou nada percebem da orgânica dos bombeiros voluntários. “Foi pior a emenda que o soneto” diz o presidente da adega cooperativa de Vale Midões, que já foi presidente dos bombeiros e refere que “aquilo nada tem haver com vinho, eu fui colocado lá pelo presidente da câmara, mas já lhe disse, que não voltava assumir a direção do corpo de bombeiros”.

O «Boca» d’ Incêndio sabe que, existem muitos problemas nos corpos de bombeiros derivado à falta de conhecimento dos seus elementos diretivos, que numa primeira fase igualaram estas instituições a outras de índole recreativo que já geriram, mas, as especificidades dos corpos de bombeiros, levam muitas vezes à má gestão e à instabilidade operacional, nomeadamente no que respeita à constituição dos elementos de comando.

Sabe o «Boca» d’ Incêndio, que a ENB não tem mãos a medir no que respeita à formação de novos elementos de comando, derivado precisamente à lei e ao poder que a mesma dá às direções de decidir quem querem à frente da área operacional do corpo de bombeiros. Há casos, do conhecimento desta redação, que em 5 anos houve corpos de bombeiros que mudaram de comandante duas vezes, criando uma instabilidade de tal ordem, que, em alguns casos, já levou à debanda de operacionais.

Contactada a liga de bombeiros sobre este novo projecto de lei, Jaime Soares, presidente desta confederação, referiu que, “só espero que os comandantes dos corpos de bombeiros quando forem chamados a votar estejam presentes”, referindo que, “a lei atual só está em vigor porque no anterior projecto de lei, quando os comandantes foram chamados a votar, não estiveram presentes dado à noite dura que tiveram na véspera das votações”, o «Boca» d’ Incêndio tentou apurar os factos referidos por Jaime Soares, mas o mesmo disse que “não vou alimentar a polémica, todos sabem do que estou a falar”.

A nossa redação ficará atenta aos próximos desenvolvimentos, esperando que, a bem de toda a comunidade, os comandantes possam, desta vez, deitar-se mais cedo para no dia seguinte chegarem a horas de votar.

 

Sobre o autor

«Boca» d’ Incêndio

«Boca» d’ Incêndio

A «Boca» d’ Incêndio é o nome que intitula uma rubrica humorista do portal bombeiros.pt. Jornalistas e bombeiros desenvolvem semanalmente notícias humorísticas que “esmiúçam” os bastidores do mundo dos Bombeiros Portugueses e da Proteção Civil. Apesar de devidamente identificada como «Boca» d’ Incêndio, esta rubrica leva a que alguns dos nossos leitores acreditem no seu conteúdo, derivado à proximidade das notícias com a realidade. No entanto, todas as notícias publicadas na «Boca» d’ Incêndio são puramente ficcionais ou não e não pretendem mais do que trazer sorrisos e bom humor ao universo dos Bombeiros Portugueses e da Proteção Civil. Sorria e esteja atento às madrugadas de Sábado, no momento em que a «Boca» d’ Incêndio jorrará!